/Os fatores que as empresas consideram ao contratar uma construtora
construtora

Os fatores que as empresas consideram ao contratar uma construtora

Confira o que você precisa saber antes de contratar uma construtora para realização da sua obra, evitando ficar no prejuízo e escolhendo melhor a empresa que ficará responsável pelo seu empreendimento.

Certamente, se você está lendo isso, é porque está descobrindo tudo o que pode sobre a construção de sua casa. Você ponderou coisas como custos, prazos, pagamentos, materiais e muito mais. Mas, a pergunta é: você considerou os riscos? É preciso ficar atento a alguns detalhes e analisar bem as opções antes de fechar contrato com a construtora civil.

Uma vez que, é triste ver os sonhos de alguém quebrados por omissões e falhas de terceiros. O que fazer então para eliminar os riscos? Como saber se a empresa com a qual está lidando é séria, responsável e compatível? Abaixo listamos algumas dicas que você pode levar em consideração ao contratar.

Dicas que devem ser levadas em consideração antes de contratar uma construtora

1. Endosso de Instituições

Cada setor possui um conjunto de órgãos, câmaras, instituições e entidades, que representam os atores envolvidos, e que desempenham diferentes funções. O endosso de qualquer uma dessas instituições pode ser um sinal da trajetória e integridade da empresa. 

Você pode pesquisar pelos registros de profissão dos engenheiros e arquitetos responsáveis, entre outros. 

2. Fornecedores

Entre qualquer construtora e seu fornecedor de materiais existe uma relação que transcende o comercial. Em uma indústria como a da construção, onde novas empresas aparecem continuamente, é os fornecedores que as veem nascer, crescer e morrer. Eles testemunham bons e maus momentos, sucessos e fracassos.

Os fornecedores de materiais são, portanto, uma excelente fonte de referências. Eles conhecem seus clientes de perto, ou seja, os construtores. Eles sabem se um construtor é antigo ou novo; conhecem o seu volume e frequência de compra, um indicador claro do número de obras; sabem que materiais compram, um sinal da qualidade com que constroem; e eles sabem se é solvente ou não.

Os fornecedores são os melhores juízes da experiência, conhecimento, solvência e integridade de uma empresa. Peça ao seu responsável pela construtora os detalhes de contato dos fornecedores com os quais ele trabalha. Se ele relutar em seu pedido ou se recusar diretamente, você sabe que é um sinal amarelo e há motivos para suspeitar. Na dúvida, peça referências.

3. Fotos de obras

A experiência é uma grande professora de todos os setores. Se você quer saber a idoneidade e a expertise de uma empresa, dê uma olhada em seus trabalhos. Você não precisa ser arquiteto (se for muito melhor) para avaliar a qualidade do trabalho. Se as fotos forem de alta qualidade, boa resolução e bem compostas, é sinal de que a empresa está se esforçando para mostrar o melhor de seu trabalho. Se as fotos são amadoras e de baixa qualidade, como você pode avaliar a qualidade do trabalho?

Mais importante, como saber se os trabalhos que publica são seus? Felizmente, é muito simples. Abra o navegador Google Chrome, passe o mouse sobre a foto, clique com o botão direito e escolha a opção “Pesquisar uma imagem no Google”. 

Na página de resultados, o Google mostra todos os sites que possuem a mesma foto. Se aparecer apenas o site do seu construtor, ótimo, as fotos são de uma obra que é dele. Se, por outro lado, aparecerem vários sites, a foto provavelmente pertence à outra empresa construtora, a baixou e carregou em seu servidor web, fazendo com que o trabalho de outra pessoa passasse por seu. Pesquise os sites nas páginas de resultados e determine quem é o verdadeiro proprietário da foto.

4. Sinal de adiantamento

Muitas construtoras pedem um adiantamento antes de iniciar as obras. O percentual do adiantamento chega a alguns casos até 70%. Nosso conselho é não pagar um sinal tão alto. 

Antes de se comprometer contratualmente, verifique que adiantamento eles pedem. Qualquer avanço superior a 30% é suspeito. Também pergunte para que serve o adiantamento. Se for para comprar materiais, pode ser melhor pagar diretamente no fornecedor, para que os materiais sejam recolhidos e faturados em seu nome.

 Num contexto inflacionário como o atual, é plausível fazer isso (e já fizemos com muitos clientes) para congelar o preço. Se o seu construtor pagar pelos materiais, exija que lhe mostrem a nota fiscal e, em caso de dúvida, ligue para o fornecedor.

5. Propostas implausíveis

Cada empresa tem sua estratégia para conquistar clientes. É legítimo que assim seja. Mas, muitas vezes, a competição saudável degenera em propostas complicadas. Em geral, é no preço que as propostas implausíveis são mais comumente encontradas.

O custo de construção é composto por dois itens principais: materiais e mão de obra. Os materiais custam o mesmo, não importa onde você os compre. Você dificilmente consegue o saco de cimento 50% mais barato, certo? Descontos por volume podem ser alcançados, mas não excedem 5%. Para oferecer um preço mais baixo, as únicas variáveis ​​de ajuste são:

-Reduzir a qualidade dos materiais.

-Paga menos pelo trabalho.

Assim sendo, verifica-se que o custo de construção varia entre um intervalo de preços fixo, de forma que os preços entre empresas que oferecem qualidades comparáveis ​​não são muito diferentes entre si. Se alguém lhe oferecer a metade do valor de mercado, talvez você precise se perguntar: onde está o atalho? Os materiais são de qualidade que compromete a resistência estrutural da casa?

Diante de propostas que vão além das normas de mercado, a cautela deve reinar. Se algo é bom demais para ser verdade, provavelmente é.

6. Segurança jurídica

Um contrato que regula as obrigações e direitos das partes é um indicador favorável. O seu construtor está disposto a assiná-lo? Leia o contrato com atenção. 

Deve conter, no mínimo, especificações sobre condições de trabalho, valor da obra, o que inclui, o que não inclui, meios e cronograma de pagamentos, marca, modelo e espessura dos materiais. 

As assinaturas devem ser autenticadas por cartório e lembrar que, para ter validade jurídica, o contrato deve ser carimbado, ou seja, reconhecido em firma.

Caso queira ver mais noticias e/ou artigos como este, entre no site: noticiasdoestado.com.br